Brasil, estou de volta (e já faz uma semana!)

Olá Brasil, olá vizinhos fanáticos por futebol que berram palavrões no meu ouvido, olá governo que quer faturar 1/5 dos rendimentos da minha empresa, e do meu suor!! Olá MEC que quer ensinar nossos filhos a falarem o Português todo errado, e ainda espera que a gente ache isso lindo e moderno! Sentiram  minha falta??? 😛

Faz uma semana que cheguei e nem dei as caras por aqui, né? Explico:

– Chegamos de viagem no sábado a tarde, exaustos e cheios de malas! No domingo foi dia das mães (que passei com minha amada e querida mãezinha), e segunda-feira viajei para Paraíso, onde fiquei a semana inteira, a trabalho.

Como aventura pouca é bobagem, fui logo emendando Paraíso em Montes Claros (o último destino foi a lazer), e só cheguei em casa mesmo ontem de tardezinha. Ou seja, do dia em que cheguei dos EUA até ontem, só dormi em casa uma única noite! (Como diria minha tia Fátima “Uma loucura!”)

Bom, vamos aos principais bafos da viagem de volta dos EUA:

Primeiro: fazer tudo caber nas malas, mesmo depois de termos adquirido um jogo de 4 malas ALÉM das que já tínhamos levado do Brasil.

– passar pela segurança dos aeroportos. A vontade que dá, é de viajar pelado e sem nada na mão… (muiiiiiito chatooooooo).

– a via sacra pra chegar em BH: New Bedford – Boston – Miami – São Paulo – Belo Horizonte.

Dá tchau pra América, dá? =(

– passageiros em apuros nos vôos Miami-SP e SP-Belo Horizonte. Na segunda situação, estávamos a menos de um metro do passageiro que sofreu um ataque epiléptico, e pudemos acompanhar a pronta e louvável resposta dos três passageiros-médicos a bordo, bem como o completo despreparo dos atendentes da GOL para lidar com uma situação REAL de emergência. #tragic

– o congestionamento nas filas de checkin do aeroporto de Guarulhos. (Copa 2014, aí vamos nós!)

– a implicância da segurança do aeroporto de Guarulhos com o tripé da minha câmera, alegando que poderia ser uma arma usada para “nocautear” o piloto, por exemplo. Detalhe: o tripé é de plástico e alumínio, super leve, e passou pela segurança dos aeroportos americanos. Meu braço é muito mais arma do que um tripé de câmera, logo, devo fazer check in do meu braço?? rssss

Maasss! Como dizia Elvis Presley: depois que passa, é tudo muito engraçado, não é? O que importa é que chegamos muito bem, sem malas perdidas, ou quaisquer outras emoções muito fortes!

Agora preciso arranjar um tempo pra organizar a bagunça de malas, roupas e objetos espalhados por todo canto, que ainda não receberam local designado na casa… (e pra falar a verdade, eu nem estou com pressa pra fazer arrumação nenhuma…rsss)

Até breve, New York!!

Meu ritmo de trabalho e viagens está bastante intenso neste mês de maio e por isso vou me esforçar para permanecer firme aqui no blog. Além dos tutoriais, quero dividir com vocês alguns assuntos mais complexos sobre os quais venho refletindo desde que cheguei dos EUA , como por exemplo, a idéia de família (o sonho mais íntimo e imutável do coração de Deus) a sensação de chegar em casa, do ponto de vista do Reino e do encontro com nosso Criador… ai ai! Mil coisas! 😀

Espero encontrá-los aqui muito em breve!

Bjkas =***

P.S. Ah! Depois de matar as saudades da família, amigos e clientes, a melhor parte de ter chegado ao Brasil até agora foi assistir ao Chaves ontem, e bem o meu episódio preferido: Acapulco!!

Anúncios

Eu sou um com o oceano e suas criaturas…….. NOT!!

Mystic Aquarium / Connecticut

Parabéns pra você que adora os animais, e se interessa pelas criaturas mais bizarras, cheias de pernas e antenas que há no fundo do mar!

Quem me conhece sabe o p-a-v-o-r que eu tenho de todo e qualquer animal da classe dos artrópodes (meu pavor é tal que eu nunca me esqueci dessa aula de Biologia do prof. Clever na Sandoval!). E como a minha barreira está no fato de esses animais terem pernas demais pro meu gosto (e articuladas ainda por cima!!), costumo ter sérios problemas com aracnídeos e crustáceos em geral… tipo… muito sério messssmo. Sei lá! Sou mais amiga das focas, dos golfinhos…

Sobra até pro polvo que nem é da família…  Não gosto de muitas pernas. E sei também que Freud tem uma explicação pra isso… kkkkkkkk

Mystic Aquarium / Connecticut

Só que uma hora na vida, a gente tem que enfrentar nossos medos mais íntimos, e geralmente quando isso acontece, acontece em público… e você não pode dar escândalo ou vexame…

Logo quando fui convidada por essa família mais linda do mundo (Max, Diane, Elizabeth e Mathew) pra comer lagosta com eles na Páscoa, senti um súbito frio na barriga… “Meu Deus! Como será meu encontro com um de meus maiores arqui-rivais!!?? E ainda terei que comê-lo!!”

E você deve estar se perguntando: “Era só você ter falado que não gosta de lagosta!”. Mas aí é que está:

1) Eu nunca tinha comido lagosta pra poder dizer que não gosto. E pior: se alguém pedisse pra explicar porque não gosto da tal da lagosta, não ia ter a menor pista do que dizer… tipo “sei lá, não gosto porque acho a carne…. suculenta demais?”

2) Se eu dissesse de cara que não gosto, teria então que explicar minha aracno-crustáceo-fobia pra todos os presentes na hora do convite, e eu não estava exatamente pronta pra dividir tamanha intimidade minha ali, naquela hora…rsss

3) E a últma razão é: comer lagosta é chique, gente!! E eu queria experimentar essa “chiqueza” toda, mesmo tendo um medo terrível da lagosta! Vai ver era a hora mesmo de eu superar tudo isso em minha vida. kkkkk

Enfim! Nunca imaginei que eu fosse ficar a essa distância de um crustáceo, que eu fosse tocá-lo e ainda comê-lo! (A pobrezinha ainda estava recheada – e que delícia de recheio!!) Adorei brincar de comer lagosta, quebrar as patinhas, fazer bagunça e lambrecar tudo! Ela morreu pra nos proporcionar esses momentos de alegria! Vamos honrar a morte dela comendo toda a carninha que ela nos oferece! kkkkkk

Por isso eu digo: dê uma chance aos crustáceos!!!

Comer lagosta é muito chique! Mas superar medos de infância é mais ainda =)

Bye-bye!

Passeios, manotas e diálogos divertidos em Martha’s Vineyard!

Tudo começou assim…..

Meu sogro, distinto pastor e teólogo que leciona em seminários, havia comentado conosco desde que chegamos aqui nos EUA, a respeito de uma igreja em Martha’s Vineyard onde o mesmo dá aulas a cada 15 dias, etc, etc, etc…

E no meio dos comentários, eu sempre ouvia uma história de tomar uma balsa e fazer a travessia (já que o destino em questão é uma ilha ao sul de Cape Cod), cujo acesso se dá majoritariamente pelo mar… Tá. Até aí tudo bem…

Na minha cabeça interiorana e muito “miqueira”, eu imaginei que a tal “balsa” era tipo uma embarcação simples, uma espécie de canoa (e pra exagerar, vou dizer ainda que pensei que tivéssemos que remar…kkkk), onde pudesse caber talvez umas 5 ou 10 pessoas de cada vez…rsss

Bom, só sei que os dias se passaram e acabei não compartilhando com ninguém essa impressão que tive, inclusive por acreditar que não tinha nada de errado com ela. Até o dia em que meus sogros nos convidaram para fazer um passei até a tal ilha……….

No dia do passeio, fomos nos aproximando do porto e logo comecei a sentir uma vergonha interna, ao me deparar com a balsa que nos levaria até Martha’s Vineyard! Vivi momentos de indecisão: “Conto ou não conto que achei que andaríamos de canoa??” Mas é lógico que pra divertir a família, eu acabei contando!!! kkkkk

Enfim! Essa é a “canoa” que nos levou até Martha’s Vineyard! Pausa para as risadas (………….)

Martha’s Vineyard é uma ilha predominantemente para veraneio, onde celebridades adoram passar suas férias como James Taylor, Barack Obama, Bill Murray, Bill Clinton, Meg Ryan, e por aí vai…

A ilha também é conhecida pela comunidade brasileira que vive lá e trabalha em sua manutenção, pontos turísticos, restaurantes e etc. E dentre estes brasileiros, conheci uma turminha muiiiiiiito bacana e especial! Pastor Eduardo, sua esposa Beth e seus filhos Josafa, Asaf, Abraao e Agatha. Embora a família seja brasileira, os filhos nasceram nos EUA e falam Inglês e Português! A coisa mais fofa desse mundo!!!!!

E lá estavam eles, depois da travessia na “canoa”, nos aguardando na van da alegria pra levar todo mundo pra passear =)

Quando as crianças me viram (2 gêmeos de 7 anos e um pré-adolescente de 11), do lado de fora da van eu já escutei a confusão e todo mundo falando (exceto o de 11 anos, por razões óbvias) “I wanna seat on the girl’s lap” (Quero sentar no colo da menina).rss

Por fim, viramos todos melhores amigos do mundo! E os diálogos ficaram cada vez mais engraçados, porque na cabecinha deles, eu era irmã mais nova do Dalton (meu marido), de 12 anos! rss

DIÁLOGO 01:

Fomos à casa da família, para buscar algumas coisas… Ao sair do carro, um dos gêmeos me pergunta:

Josafa: Com’on! Let’s play outside (Vamos lá! Vamos brincar lá fora!)

Diana: Oh no, I’m too old to play outside (Ah não, estou muito velha pra brincar!)

Josafa: No you’re not! You’re like… 12 years old?? (Não é nada! Você tem uns…. 12 anos??)

DIÁLOGO 02

Dentro do carro, a caminho de Gay Head, peguei minha câmera para verificar a bateria, e os dois vieram quentes querendo ver fotos e brincar com a câmera. Daí eu disse:

Diana: This camera is for adults only. Don’t touch it. (Essa câmera é pra adultos. Não toquem nela)

Asaf: But you’re not an adult. (Mas você não é adulta)

DIÁLOGO 03:

Asaf: I want to kiss you. (Quero te dar um beijo)

Dalton: Who wants to kiss my wife? (Quem quer beijar minha esposa?)

Asaf: Can I kiss your wife? (Posso dar um beijo na sua esposa?)

DIÁLOGO 04:

Asaf: Are you married? (Você é casada?)

Diana: Yes, I am. (Sim, sou)

Asaf: But I wanna marry you. (Mas eu quero casar com você)

Diana: But I’m already married. I do even have a wedding ring, look. (Mas eu já sou casada. Inclusive tenho até aliança, olha).

Asaf: Well, then I guess I’ll just marry somebody else. (Bom, se é assim, vou casar com outra pessoa então).

A mãe dessa turma toda (inclusive desse bebê – Agatha – mais fofo do mundo!) é a jovem de casaco xadrez, Beth, super querida, alto astral e simpática! Adorei passar o dia com eles!! =)

Anteontem fomos a Boston e conhecemos o campus da Harvard… Deixarei para falar melhor sobre Boston mais pra frente depois que voltarmos lá novamente.

Uma coisa que observei, é que as meninas aqui estão usando muito coques altos (daqueles bem estilo Cindy Lauper)… eu adorei! Adoro essas coisas extravagantes…

Acho que o próximo tutorial de cabelo poderia ser sobre coques (não só os extravagantes, mas os clássicos para o trabalho e ocasiões mais formais). O que acham?

Já filmei um tutorial de maquiagem com minha câmera nova, mas não gostei da luminosidade… ficou muiiiiiito claro para o meu gosto, além de o ângulo não estar muito nítido :/ Depois que eu editar, resolvo se posto ou não…

Bom, pessoal… É isso aí! Até a próxima! =***

P.S. As imagens de todas as pessoas nas fotos foram utilizadas com a permissão das mesmas.

P.S. Mantive os diálogos em Inglês também a pedido dos meus amigos americanos que acompanham o blog 🙂

Ice, blackberries e sucrilhos! Eu não tive infância! rsss

Ice sabor blueberry e Fanta Laranja =)

Minha infância foi muito feliz, divertida e memorável! Mas algumas coisinhas, devido às restrições da época, ficavam só na vontade e no sonho de criança…

Blackberries docinhas no café da manhã!

Hoje, depois de adulta, vim encontrar meus sonhos de criança que adormeceram por um tempo, e que começam a despertar…as guloseimas que a gente via nos filmes, frutas fora de época reservadas somente aos que podiam comprar, o cereal com leite que definitivamente, por razões inclusive culturais, não fazia parte do nosso café da manhã…

Enfim! Vamos nos jogar nos sonhos de infância? Eu já estou me jogando nos meus! rs

De vez em quando vou voltar aqui pra contar o sonho da vez (e que não seja de comer, né….rssss)

Bjkas!!

P.S. Ao escrever este post, um dos hinos de infância não me saia da cabeça!! Recordar é viver!!

América! Cheguei! =)

Então! Como eu já havia contado previamente aqui no blog, meu marido e eu afogamos nosso câmera em Porto de Galinhas (durante a travessia até as famosas ‘piscinas naturais’ deixamos a câmera cair no mar, fazendo-a perecer para todo o sempre.rs)

Logo, como deixamos pra comprar uma câmera nova aqui nos EUA, não temos registros do trajeto nos aeroportos de Guarulhos, NY e Boston, onde vivemos a maior de todas as ansiedades: esperar, esperar e esperar. Meu Deus! É um jogo de paciência!

O engraçado é que, pra não fugir à regra dos meus sonhos de “barriga cheia”, alguns dias antes de embarcarmos, sonhei que minha pomada Bepantol tinha sido confiscada pela segurança do aeroporto! E que eu dava pulos de 5 metros de altura de revolta e indignação!! ahaha (isso inclusive me lembra o sonho que tive alguns dias antes de me casar em 2008, em que o maquiador que estava me arrumando para o meu casamento fazia uma pintura no meu rosto igual a do Pablo do “qual é a música” do Silvio Santos (!!!!) Adoro sonhar…rsss

Bom, pelo menos nada meu foi confiscado pela segurança dos aeroportos por onde passamos! Inclusive, em Guarulhos, os seguranças estavam tão distraídos e descontraídos (estavam cantando a música “pirulito que bate-bate, pirulito que já bateu….”) que nem vistoriaram nossas bagagens de mão.

Ainda em Guarulhos tivemos que esperar 5 horas até o horário de saída do vôo para os EUA (21h). Na primeira hora, tudo é festa e alegria… a criatividade te permite lembrar dos joguinhos de infância para passar o tempo (eu e Dalton brincamos de adedanha-escreve, jogo da velha e forca), além das visitinhas básicas ao Duty-Free pra já ir aquecendo as expectativas de compras! Depois disso, é como se o efeito de uma anestesia começasse a passar, e você começa a sentir tudo: Fome, sede, cansaço, tédio…rsssss

Mas enfim! Como eu sou uma fominha de avião (eu amoooooo voar), principalmente se for na saída de emergência, rapidinho recuperei o ânimo e as horas passaram bem depressa! Vôo de 9 horas, tranquilo, sem turbulências e com entretenimento (assisti ao mesmo episódio do The Office umas mil vezes durante o vôo.rss).

Casa dos meus sogros. Parece casa de boneca, e ainda tem uma árvore na frente! Meu sonho!!

Chegamos em NYC às 6h da manhã, num frio de lascar (1ºC), e logo percebemos a torre de Babel. Como diria a dona Edith: nem todo mundo é loiro, de olhos claros, com sorriso nos lábios! O que menos se vê no aeroporto JFK é americano! Os funcionários são portoriquenhos, africanos, indianos… uma verdadeira mistura!

Bom, passamos frio no aeroporto de NY, tomamos frappucino gelado no Starbucks achando que era uma bebida quente que nos ajudaria a aquecer o corpo, o vôo para Boston atrasou 1h30, deitamos no chão do aeroporto e tiramos um cochilo até dar o horário de saída do vôo…. (como eu queria ter foto disso.rs)

Já em Boston, meus sogros queridos nos aguardavam com casacos quentinhos!!! Delícia!!! Passamos em casa e fomos almoçar num restaurante chinês delicioso em New Bedford! Comemos DEMAIS e saimos com essa cara (que já não estava boa devido às 24h praticamente sem pregar o olho).

Quando voltamos do almoço, tiramos uma soneca e recuperamos as energias! Já fomos ao shopping, fizemos algumas comprinhas básicas (depois farei um post exclusivo sobre as aquisições!), e já deu pra perceber como o estilo de vida aqui é distinto e engraçado até. A começar pelo exagero…. tudo é muito grande! Pedi uma Coca-Cola no restaurante, esperando aquela garrafinha de vidro de 290ml, e o garçom me traz um copo gigante de 600ml! Tudo é vendido em galão, tamanho família… ai que povo exagerado!

Até agora, embora ainda não tenhamos feito muitos passeios, o que mais estou gostando é do silêncio e tranquilidade da vizinhança. Como em BH moramos num bairro em obras constantes, e de vizinhos muito mal educados, somos acordados todos os dia por uma sinfonia de britadeiras, discussões, choros, gemidos, etc. Já aqui, o silêncio reina………………

Minha sogra e eu num momento "festa brega", JC Penny.

Ontem nevou um pouco, mas não o suficiente para brincar e construir boneco de neve =(

De todos os modos, ficar em casa perto da lareira tomando um vinho, já valeu a pena…

Na segunda-feira, é provável que eu já esteja com a minha câmera em mãos para sair por aí desbravando a América! rsss

Farei alguns tutoriais de beleza também (atendendo a pedidos, farei um tutorial de cabelos…), e postarei à medida que for editando…

Me mandem notícias do Brasil! (Boas, por favor…rs)

Até a próxima, everybody! =***

Viagens, viagens e mais viagens! E sobressaltos!

Olá queridas (e queridos também!!!) leitores do blog!

Essa semana estive fora de BH a trabalho, e embora a viagem em si não tenha sido o principal motivo que me manteve ausente do blog, posso dizer que a semana de maneira geral foi muito doida!!

Viajar pra mim já não é mais considerado um grande evento ou novidade, haja vista que costumo viajar de uma a duas semanas no mês para algumas cidades mineiras onde tenho clientes. Mas passar uma semana sem acesso irrestrito à internet, foi uma experiência quase que de abstinência pra mim!!

Na verdade, foi mais ou menos assim:

– Saí de BH na segunda de manhã com um consultor amigo nosso para S. S. do Paraíso (um salve pra Paraíso!). Não sou de enjoar muito em viagens, mas como fico de “cobradora” na hora de pagar os pedágios (numa rodovia que sequer é duplicada #pasmem), acabo abaixando a cabeça repetidas vezes para contar o dinheiro e já preparar as moedinhas para o próximo pedágio (como vocês podem ver, temos atividades pedagógicas durante as 5 horas de viagem.rs). Este movimento de abaixar a cabeça, não sei exatamente por que, faz meu mundo girar literalmente… Logo, na ida para Paraíso senti um leve mal-estar

– Cheguei no hotel (que eu adoro por sinal), e passei pelos meu rituais básicos: 1) Desfazer toda a mala e acomodar os pertences no armário do quarto. Faço isso não só pra preservar a boa apresentação das roupas principalmente, mas também para programar minha mente de acordo com o tempo que passarei fora de casa.

2) Auditoria do quarto em geral para ter certeza de que não há bichos asquerosos ou insetos nos cantos do quarto ou debaixo da cama. Embora eu nunca tenha vivido semelhante situação neste hotel onde fico em Paraíso, isso já me aconteceu duas vezes num hotel de outra cidade, sendo que em cada ocasião o bicho com que me deparei foi distinto: uma vez foi uma barata, e na outra vez um grilo.

Na situação do grilo, fiquei encarando a fera por aproximadamente dois minutos (ele estava bem em cima do vaso) refletindo sobre a melhor ação a ser tomada (gritar, por exemplo). Mas preferi ir à recepção onde a recepcionista me tranquillizou dizendo: “é a natureza, Diana”…. Daí uma outra vez no mesmo hotel, tive problemas com aqueles insetos que voam ao redor da lâmpada, porque ficavam pousando em mim e fazendo a maior farofa no meu quarto (eram muitos!). E quando mais uma vez fui à recepção reclamar, essa mesma recepcionista me perguntou: “Você não tem repelente na sua mala!” Daí eu brinquei com ela dizendo“eu estou no Pantanal???” Bom… só sei que depois de toda essa argumentação autêntica e genuína, penso seriamente em fazer um estudo de caso com ela, para aprendermos mais sobre essa arte da argumentação… rsss

3) Meu terceiro ritual, que se resume às necessidades fisiológicas do ser humano, as quais não preciso detalhar aqui, foi muito mais trágico do que precisava ser. Simplesmente neste momento, quando fui acionar a descarga, eu consegui (não sei como) derrubar meu sabonete dentro do vaso !!! (gostaria de me reservar o direito de não expôr aqui as circunstâncias em que o resgate do sabonete se deu) #disgusting

Depois de tudo isso, quando fui me arrumar para deixar o hotel, descobri que minha mala estava com déficit grande de peças e acessórios devido à minha gestão relapsa no momento em que organizei a mala! E você que é mulher sabe como é estar longe das suas coisas, e não gostar de absolutamente NADA do que se põe no corpo. Foi uma loucura! Sabe quando a gente fica naquele tira-e-põe de roupa, e aquela frustração, e a bagunça no quarto, e as horas passando, e ainda falta passar a maquiagem e arrumar o cabelo, mas você nem decidiu a roupa ainda, e tem gente te esperando… E tudo isso na segunda-feira!!! Ai ai ai!Só sei que depois de uma tarde gostosa e proveitosa de trabalho, retorno ao hotel já abrindo a mala do laptop no meio do corredor (muita ansiedade para abrir o computador e falar com o maridão no Skype, atualizar o blog, responder emails, brincar no Facebook e no Twitter, etc, etc), quando recebo a triste notícia de que a internet no hotel estava inoperante devido à manutenção e reajustes no prédio…………………

……….como dói olhar pra aquele “xizinho” vermelho no canto direito da barra de tarefas, dizendo pra você “RÁ! Te peguei! Hoje não tem internet, mocinha!!”

Enfim… dei uma surtada básica na hora, mas encerrei a noite com meu ritual de sempre que é assistir Everybody Hates Chris e cair no sono antes mesmo de a vinheta de abertura terminar.rs

Retornei a BH hoje, e quando cheguei em casa encontrei meu amado me esperando com banheiro lavado e tudo mais! #eutenhoomelhormaridodomundo

E neste momento, me dirijo a vós saboreando uma caipirinha e um miojo (kkkkkkkkkk) ambos preparados pelas mãos abençoadas do meu estimadíssimo esposo!!! =******

Bom… Tenho duas viagens agendadas para a próxima semana, mas acredito que a internet não nos faltará! #Deusémais

Amanhã voltaremos com os vídeos de Upgrade de Imagem, dando continuidade à “Auditoria de Pertences” 😉

Bjs e bjs! Foi bom matar as saudades antes de ir deitar =***