Etiqueta: visitas e anfitriões! Dilemas e algumas dicas básicas

Eu, graças a Deus e ao meu modesto círculo de convívio social, não tenho rigorosamente nada a reclamar das minhas experiências como anfitriã ou como convidada na casa de quem quer que seja. Toda vez que recebo ou sou recebida por amigos e familiares, tenho sempre aquela sensação prazerosa de que o tempo não passou, e acabo inclusive ficando meio triste e #xatiada quando dá a hora da despedida. 🙂

Entretanto (e infelizmente) calculando pelos e-mails que recebo, parece que muitas pessoas não podem dizer o mesmo de suas experiências. A propósito, já recebi relatos alarmantes de anfitriãs que pouco faltam entrar em pânico quando determinadas visitas chegam em suas casas… para passar alguns dias… que parecem uma eternidade.

Elas contam que são aquelas visitas pesadas, que atrapalham o andamento da casa, dão trabalho, não se dispõem a ajudar em nada e, além de tudo, são muito, mas muito difíceis de agradar. Em muitos casos (o que inclusive torna a situação ainda mais constrangedora e delicada) tratam-se de familiares muito próximos e queridos, que agem de forma descuidada e sem limites por mero excesso de intimidade ou por puro abuso mesmo.

Daí quando leio estes e-mails, fico pensando em como é muito mais fácil ser anfitriã de visitas legais, com papo legal, com atitude legal, com postura legal… tudo legal! E penso também em como o simples ato de ir à casa de alguém, coisa boba e elementar, se torna um problema grave que se não tratado adequadamente, pode chegar a destruir as relações entre as pessoas.

house-guest

Por isso hoje, quero usar da liberdade que recebi dessas moças que me escreveram, para trocar uma idéia com vocês a respeito do que pode ser feito em situações delicadas como estas. Não sou a dona da verdade, mas gostaria de dividir alguns pensamentos que tenho sobre o assunto…

Na minha opinião, tudo fica mais claro e até auto-explicativo quando entendemos que *etiqueta* é um conjunto de normas e princípios, que nos dão aquela referência de comportamentos *esperados* de nós nos mais diversos ambientes e situações sociais. Ou seja, etiqueta tem a ver com a expectativa das pessoas de determinado ambiente e situação social, em relação à minha postura e comportamento.

Exemplo: qual é a expectativa de comportamento num restaurante? Que os clientes se sentem à mesa, comam com talheres e paguem a conta antes de irem embora. Qualquer cliente que esteja comendo em pé, usando as mãos ao invés de talheres, e que vá embora sem pagar a conta, está agindo de forma contrária à expectativa.

Logo (pensando de forma simplista) para dominarmos a arte da etiqueta, é importante que conheçamos e nos aprofundemos neste universo das expectativas.

Se vou à casa de alguém seja para uma visita rápida ou para passar alguns dias na companhia do dono da casa, eu preciso então pensar na expectativa que existe ali em relação ao meu comportamento, e à maneira como devo me relacionar neste novo ambiente. Se sou um amigo muito íntimo, quais são as expectativas? Se sou um parente distante, quais são as expectativas? Se sou um familiar de convívio mais próximo, quais são as expectativas?

Coloque-se no seu lugar, e se faça esta pergunta sempre, e você nunca vai errar. E tenha sempre em mente que sendo a casa de quem for, a sua casa fica em outro endereço. E quando você for embora, deixe saudades e um gostinho de “quero mais”. Seja uma visita querida, que retribui o carinho e generosidade de seu anfitrião, servindo de acordo com suas habilidades e com a rotina da casa.

Não seja um hóspede que se comporta como se estivesse num hotel ou pensão. Não seja um peso.

8-29-08BadGuestsRGB

Quanto ao anfitrião que recebe alguém para uma visita rápida ou que, principalmente, recebe uma ou mais pessoas por períodos mais prolongados, aí vai uma dica: faça tudo pelas suas visitas! Agrade, paparique e mime muito! Mas faça tudo isso respeitando aquele limite em que você começa a deixar de aproveitar a companhia dos seus queridos para dar atenção às obrigações.

O melhor que você pode e deve oferecer às suas visitas é você mesmo e sua companhia! Se suas visitas são pessoas mais íntimas (familiares ou amigos), não há problema algum em “comunicar” as expectativas! Não se sinta constrangido e recrute ajuda quando precisar! Ou, se sua visita se oferecer a ajudar, aceite de bom grado!

Agora, se suas visitas são pessoas com quem você tem pouco convívio ou intimidade, minha sugestão é sempre recrutar uma ouuuuuutra pessoa, que não faça parte das visitas, pra te dar uma mãozinha! Convoque o filho mais velho, o marido/esposa, a irmã, uma amiga mais chegada, a cunhada… Alguém que fará parte da diversão, mas com um papel diferenciado, te auxiliando nas atividades de anfitriã!

Porque se você tem alguém pra te ajudar com as obrigações do dia-a-dia, seja da maneira que for, certamente você passará mais tempo de qualidade com suas visitas!

HouseGuest_Corbis

É claro que, mesmo observando tudo isso que conversamos até agora, ainda assim existem situações em que todos os recursos se esgotam e não nos resta nada além do bom-senso: aquela última reflexão que a gente costuma fazer pra responder a vários dilemas de etiqueta e também às seguintes perguntas – 1) Vale a pena brigar por causa de uma visita que vai embora daqui a dois dias? 2) Vale a pena brigar por um episódio isolado que talvez nem venha a ocorrer mais? 3) Será que se eu confrontar minha visita eu vou resolver o problema ou criar um outro ainda maior? 

Infelizmente, algumas pessoas não sabem como se comportar por absoluta descortesia ou ignorância mesmo… às vezes nem é maldade. E é você, como anfitrião, que precisa decidir entre confrontar ou seguir amando sua visita com todos os defeitos que ela tem e com toda a raiva que ela te faz passar. (Fiquei com vontade de rir.rssss)

De todos os modos, acho importante dizer que se o anfitrião se sente desrespeitado ou invadido em sua própria casa, ele deve sim confrontar sua visita de modo a evitar que a cena se repita novamente. Nestes casos, sou mais a favor de um “climão” de momento, do que da postura de ficar guardando aquele ressentimento durante todo o período da visita.

670px-Handle-House-Guests-That-Stay-Too-Long-Step-3

Enfim! Sei que muitas pessoas podem  dizer que “etiqueta” demais mata a espontaneidade da visita e só serve pra carregar a atmosfera com chatices e formalidades…  Mas eu discordo fortemente. Etiqueta, bons modos e maneiras ENFEITAM e aprimoram as relações (que já são naturalmente belas e tem bases profundas na sinceridade e no amor).

Pra mim, de nada vale quem se diz espontãneo, autêntico ou até mesmo irreverente, se o resultado do seu comportamento é aborrecimento, mágoa e tristeza…

Bom! Acho que é isso por hoje! Me contem nos comentários se vocês já passaram por situações parecidas e como procederam! Espero que tenham gostado e um grande beijo!! =***

Anúncios

22 pensamentos sobre “Etiqueta: visitas e anfitriões! Dilemas e algumas dicas básicas

  1. Olááá Diana ! (Gostaria de saber se vc tem algum apelido pois já me sinto super íntima e gostaria de cumprimentar-lhe de forma mais calorosa nos meus comentários rsrs).

    Na minha casa não temos o hábito de receber visitas, por isso vejo que até minha mãe fica meio perdida quando isso acontece.

    No fim do ano recebemos dois tios meus por 4 dias, me senti uma má anfitriã visto que tinha de sair pra trabalhar e acabei ficando pouco tempo com eles. No tempo que fiquei adoraria fazer coisas legais levá-los ao parque ecológico Vale Verde, ao Inhotim ou a feira Hippie mas infelizmente ainda não tenho carro e meu irmão que poderia nos levar tem uma vida resumida entre serviço, academia e vídeo game.

    A única coisa que consegui fazer foi ir com minha tia a uma choperia legal que tem por aqui, meu irmão nos levou e voltamos de taxi.
    Meu tio ficou praticamente os 4 dias em casa… E a raiva que me dava quando chegava do serviço e via os convidados vendo jornal, minha mãe fazendo o jantar e meu irmão Jogando Vídeo Game !! Acho que nunca fiquei com tanta vontade de QUEBRAR aquele vídeo game como neste período!!

    Como pode ver passei muuita raiva, mas não com as visitas e sim com os anfitriões. Avisei para os meus tios que quando voltarem aproveitaremos muito mais por que se Deus quiser já estarei com meu carro e os levarei pra conhecer diversos lugares. Espero passar um Tempo de Qualidade com eles porque provavelmente não deixamos aquele “gostinho de quero mais” nos visitantes. rs

    Beijo Grande!!

    • Ei, Brena! Não tenho apelido, não… mas os mais íntimos me chamam de “Di” mesmo 🙂

      A situação que você descreveu é realmente complicada, mas não foi culpa sua… às vezes é muito difícil conciliar as visitas com o ritmo de trabalho diário. :/ Acredito que nestes casos, as visitas é que precisam compreender o lado do anfitrião…

      De todos os modos, vocês podem investir em programas caseiros pra estes dias em que não é possível sair, como jogos de tabuleiros, filmes e o bom e velho bate-papo. 🙂

      Obrigada pelo carinho e pelo comentário!! Beijo grande pra você também! =***

  2. Oi Diana tudo bem??? Concordo quando você diz que não vale a pena brigar por pouco, se a visita não irá mais retornar. Em casa as únicas pessoas que ficam para dormir são os amigos de meus filhos, que com certeza esses se sentem muito a vontade, pois sou do tipo mãezona. Dou liberdade, trato bem, e fico toda preocupada se estão se alimentando.
    Em casa recebemos muita gente, quase toda semana. As pessoas gostam da minha casa pois eu e meu marido (e os filhos também) gostamos de receber. Sempre tenho petiscos e bebidas para servir, damos liberdade, deixamos todos super à vontade, mas ao mesmo tempo deixamos claro o que não gostamos (como algumas crianças que seus pais esqueceram que colocaram no mundo). Já tive pessoas que entraram em minha casa e deixaram o filho fazer o que queria, e deixei bem claro que não gostei, coisa do tipo ” ei moleque onde você pensa que está”???? Isso porque são pessoas que frequentam sempre a minha casa. Nunca perdemos a amizade por isso, e as pessoas continuam a frequentarem nossa casa. Mas também temos amigos ótimos, todos ajudam. Minhas amigas já entram pela cozinha, lavando louça, perguntando o que tem para fazer, e os amigos também. Na hora de irem, todo mundo ajuda e a casa acaba ficando em ordem.
    Só tive problemas com a família de meu marido, pois minhas cunhada e concunhada, são extremamente folgadas. Minha cunhada ainda é do tipo – não faço e também não ajudo a pagar. Resultado disso, depois de anos, começamos a dar uma gelada nas reuniões familiares, e falei abertamente à minha sogra o porque. Hoje o problema está resolvido em parte, pois acho que minha sogra andou falando, e as duas estão fazendo a parte delas.(pelo menos mais do que faziam).
    E quando sou visita, costumo sempre levar algo para os donos da casa, um bolo, um vinho, chocolate… E quando vamos para dormir (o que é muito raro) levo toda roupa de cama e banho, e ajudamos nas despesas. Meu marido vai ao mercado compra algo para as refeições, ou convidamos os donos da casa para sair e pagamos o jantar.
    Anfitrião e visita, têm sempre que estarem satisfeitos, senão não fica legal. Tem que ser bom para os dois.
    Adorei a abordagem do tema, pois realmente tem muita gente com problema nesse setor.
    bjs

    • MUITO legal seu comentário, Arlete! Deu pra perceber que vocês já dominam a arte de receber e serem recebidos! Este tipo de sensibilidade e proatividade são virtudes raras hoje em dia…rsss

      Espero que a situação com suas cunhas seja resolvida em breve… porque realmente o clima fica meio chato e pesado, né?

      Bjkas e obrigada pelo comentário!! =***

  3. Adorei o post. Acabo passando raiva por não reclamar com meu marido dos parentes dele. Fico revoltada, porque quando vou na casa da minha sogra ajudo em tudo, mas quando ela está na minha casa se sente como se estivesse em um hotel. Toma café e deixa tudo sujo, joga cabelo pelo quarto, não lava a louça, come frutas e deixa a faca suja na mesa e enche de formiga. Realmente quando eu sei que ela vai chegar fico em pânico. Faço de tudo para agradá-la, preparo roupas de cama e banho, comida fresquinha, sobremesa, casa limpa e cheirosa e ela não diz um “obrigada”. É tenso demais. A partir de agora eu vou pedir ajuda MEEEEESMO. Se não gostar, procura um hotel.

    • Complicado demais, né Lorena?
      Quando for assim, considerando a intimidade de sogra que é praticamente uma segunda mãe, peça ajuda com jeitinho e mostre que a necessidade é real, e não um mero capricho…

      O lugar onde todo mundo ajuda, é mais harmônico e feliz! 🙂

  4. Eu geralmente sou a visita ,vou na casa do meu noivo rsrs e lá sempre ajudo nas tarefas do lar e as vezes a minha sogra fala que “não precisa” e com isso acabo ficando sem fazer nada, coisa que me incomoda,nunca dormir lá mais quando eu paço o dia, sinto que estou incomodando, o espaço dela e do meu sogro e minhas cunhadas.Eles me tratam super bem porem tenho essa mania,kkk bjus

    • Ei, Cláudia!
      Talvez uma forma de ajudar é já levando algo pronto como um prato, um lanche ou uma sobremesa. Assim, mesmo dispensando sua ajuda, os anfitriões receberão um carinho e agrado seu 🙂

      Grande beijo!! =***

  5. Algumas pessoas sao como a música da chuva do Cocoricó: “Ela lá e eu aqui”…… rs

    Mas por outro lado:
    “É preciso amaaaaaar as pessoas como se nao houvesse amanha, porque se você parar pra pensaaaaaaar, na verdade nao há”

    #dilemamusical

    Bjs

  6. Olá Diana.
    Primeiramente gostaria de agradecer à Deus por ter te conhecido, pois tem somado bastante em todas as áreas da minha vida muitas coisas boas, principalmente área espiritual! Sobre o tema é uma experiência atual pessoal, pois há 6 meses que me mudei para outro estado e uma vez por mês viajo para visitar a família e a cada visita uma expectativa e experiências que tenho buscado aprender para que eu e meu esposo tenha momentos bons e sem aborrecimentos em que as vezes é inevitável. A família do meu esposo é bem humilde e tenho que contornar algumas experiências indesejáveis que as vezes me obrigam à fazer como: tomar banho no quintal de mangueira “não consegui porque estava naqueles dias” dormir todos em um quarto só por causa do ventilador “não consegui, por causa do meu sogro que levanta várias vezes à noite”, enfim costumes 100% opostas a minha e com este texto percebi que eu tenho que mudar e me esforçar para que eu não seja uma visita desagradável. Obrigada pela contribuição!

    • Ei, Luciana! Muito obrigada pelo carinho! 🙂
      Eu penso que este tipo de experiência desafia a gente e nos leva a crescer… porque assim a gente acaba se colocando no lugar do outro, e sente a realidade que ele vive.

      Se a sua visita traz alegria e prazer para os anfitriões, estas experiências devem ficar em segundo plano, como detalhes contornáveis, já que o principal é fazer os anfitriões felizes com sua presença…

      Quem sabe na próxima você não leva um ventilador de presente, ou um bikini pra tomar banho de mangueira? 🙂 Bjkas e obrigada pelo comentário!! =**

  7. Numca tinha parado para pensar em algo do género. Geralmente quando tem visita em casa eu numca me disponibilizei a levar alguem p passear ou coisa do género, especialmente se n é visita minha. Muito obrigada pelas dicas! :-*

    • Ei, Flor!
      Acho que se está na casa da gente, independente da parte de quem seja, a gente pode fazer alguma coisa ainda que pequena, pra tornar aquela visita mais feliz e prazerosa… 🙂

  8. Diana vc e um maximo adorei o assunto ate porq vivo me aborrecendo com a minha irma q quer ditar regras na minha casa me deixa doida obrigada beijos, fica com deus.

  9. Diana, com certeza esse post foi útil. Por esses dias o amigo do meu noivo veio visita-lo, e eu fiquei toda perdida de como receber ele em minha casa. Mas com essas dicas consegui abrir minha mente para novos modos de ser, e a criatividade de fazer passeios divertidos. Mas falando em etiqueta, você já leu o livro da Gloria Kalil que se chama Alô, Chics? Caso sim me fale o que achou, estou super curiosa. Grande beijo.

  10. Achei super válido o post, e vou contar algumas experiências que tive recebendo visitas. Eu trabalho a noite (sou professora universitária) e neste período, meu marido fica tomando conta da nossa filha de 2 anos. De uns tempos pra cá, um amigo nosso começou a aparecer lá em casa neste período, quando não estou. Até aí, tudo bem. Porém, quando chego em casa, aproximadamente 23h, ainda está lá, e por conta disso, nossa filha acaba indo dormir muito tarde, quando eu chego e coloco o pijama (pelo menos isso ele entende como dica pra irem embora), quando deveria estar na cama já muito mais cedo. Já conversamos sobre isso com ele, porém o amigo (que é muitíssimo íntimo, mesmo) fala que estamos exagerando, que quando éramos crianças também dormíamos tarde e ninguém morreu por causa disso. As vezes meu marido arranja desculpas, diz que não estará em casa, pra não receber a visita do amigo, mas as vezes ele aparece sem nem avisar. Não sei o que fazer, pois gostamos muito deste amigo, mas ele é extremamente folgado, nem uma conversa franca resolveu. Acho que só rezando…
    E outro problema é com a minha sogra, que também aparece lá em casa quando não estou, e fica fuçando em todos os armários, ver o que tem dentro de cada um, ver as roupas pra lavar, o que temos de comida, etc, e fica pedindo para meu marido, para levar alguns alimentos para ela. Aí, meu marido fica numa situação totalmente desconfortável para dizer “não”, até porque se ele diz, ela se faz de coitada, diz que não tem dinheiro para comprar comida (mas pra ir no salão a cada 3 dias fazer escova, tem). O resultado é que eu chego em casa, e cadê o doce de leite que comprei pra rechear cupcakes? Cadê o vinho que ganhei do meu pai? Cadê as bananas que comprei pro café da manhã da minha filha? Já conversei com meu marido, mas sempre acontece de novo, porque ele diz que ela o coloca numa situação que fica impossível dizer “não”. É uma loucura!

  11. Olá lindona estou pra receber uns primos do Canadá,e faz 15 anos que não os vejo como devo receber eles em minha casa???

Deixe um recadinho =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s