PRINCÍPIOS E VALORES na prática: Série especial sobre casamento / PARTE II: A convivência

Primeiro post desta série, CLIQUE AQUI: https://dianasaid.com/2012/07/01/principios-e-valores-na-pratica-serie-especial-sobre-casamento/

Em 2008, quando meus amigos e familiares souberam que eu e Dalton nos casaríamos em Novembro, minha vida acabou se tornando um alvo certo de constantes sabatinas, exortações e muitas, mas muitas críticas veladas.

Cheguei a ouvir de alguém muito próximo a mim, que eu deveria namorar no mínimo mais 10 anos, que eu era muito nova e que talvez eu estivesse me precipitando numa decisão repleta de mudanças para uma vida inteira, sem qualquer razão ou necessidade.

Diziam também que os afazeres domésticos não eram brincadeira, e que do instante do casamento em diante, o destino não me reservaria nada além de muita louça e roupa suja para lavar, um fogão para administrar, e eventualmente filhos, que viriam no futuro para me manter bastante ocupada e sem qualquer tempo ou prazer de me dedicar à minha agenda feminina.

Bom… o que dizer e como dizer? Porque ainda que o meu desejo fosse rebater cada uma destas palavras infames com a merecida categoria; eu sabia que no fundo, grande parte daquelas pessoas casadas viviam no centro de uma verdadeira sentença de morte, aprisionadas ao aspecto “operacional” da vida a dois, e aos modelos prontos  (mas toscos) de marido e mulher.

Por que a mulher precisa engordar depois que se casa? Por que o homem fica tão mal humorado? Por que a mulher deixa de se cuidar? Por que o homem fica barrigudo? Por que os dois deixam de fazer programas de namorados que faziam nos tempos de namoro? Por que os dois se acomodam?

Ora, há quem diga que estes comportamentos são consequências inevitáveis do fim do “ritual” de conquista, como se o “sim, eu aceito” proferido pelo casal lá no altar, marcasse a entrega oficial do troféu maior, o fim do desafio, não restando absolutamente mais nada a ser conquistado nem pelo homem e nem pela mulher.

E eu discordo desta afirmação em gênero, número e grau! Porque o maior ritual de conquista de todos os tempos, começa exatamente no momento em que se casa. O maior desafio para o marido e para a esposa é se conquistarem mutuamente todos os dias, alimentando a chama e vivendo os melhores dias das suas vidas até morrerem.

Movidos por este foco, o casal passa então a aplicar o coração e a mente na vida a dois, usando a seu inteiro favor aquele principal recurso que o namoro não oferece, e que é universalmente depreciado dentro do casamento: a convivência. A convivência é pra mim um novo namoro, porém muito mais maduro e muito mais gostoso! 😀 (até rimou.rss)

Eu pessoalmente vejo que a convivência no casamento apresenta ao mesmo tempo grande potencial destrutivo, e grande potencial construtivo. Os fatores determinantes de um ou de outro, na minha opinião, são sempre a vigilância, consciência e disposição do casal para interferir nos aspectos que constroem e destroem esta convivência.

Pra isto, você poderá encontrar à sua disposição uma vasta literatura cheia de regrinhas e táticas intituladas como inéditas e infalíveis, que embora proponham soluções paliativas para os impasses cotidianos da convivência, simplesmente não conhecem a fundo a intimidade do casal, para que possam solucionar os principais problemas de maneira “customizada” e sustentável.

Sabe, a despeito de qualquer literatura, é nosso dever e de mais ninguém, conhecer o outro para aceitá-lo sem brigas até o dia em que ele estiver pronto ou disposto a mudar. Desta maneira, você já começa a conter o potencial destrutivo da convivência, antes que a outra pessoa já tenha se tornado “o monstro” estigmatizado da casa.

Da mesma forma, a gente sempre pode usar o potencial construtivo da convivência para conter o seu potencial destrutivo… A boa conversa, aquele papo gostoso – sem o compromisso ou obsessão de mudar a cabeça do outro – é pra mim uma das estratégias mais eficazes e de menor custo para embelezar a convivência e a vida a dois.

Eu e meu marido, por exemplo, adoramos sentar para contar casos! Casos de infância, casos engraçados, memórias tristes, traumas, sonhos frustrados, sonhos realizados… estas coisas sem compromisso, sabe?  (A gente dá crises de riso e de choro num mesmo assunto!)

E estas conversas, por mais simples e descompromissadas que possam parecer, tem sempre um saldo muito precioso! É sempre um pouco mais de intimidade e de conhecimento a respeito da história do outro, para que sigamos compreendendo-o e ajudando-o em suas falhas e dificuldades.

Eu já até disse aqui no blog uma vez que pra mim, a conversa é um afago, um carinho na alma! Uma das maiores demonstrações de carinho e consideração… ouvir e ser ouvido, sem imposições, sem ferir. Digo isto, porque vejo que muitos casais não sabem se dirigir a palavra… Tudo é no grito, no berro e na ignorância. Isto mata a convivência em qualquer relação, muito mais ainda no casamento.

Maridos e esposas são reis e rainhas! A eles seja dado o melhor que se tem pra oferecer… O melhor tom de voz, a melhor educação, o melhor namoro e, principalmente, o melhor dia-a-dia. Porque ninguém sente desejo de voltar para uma casa  cheia de gritos, mau humor, brigas e cara emburrada!

Não seja você o motivo de degradação do seu casamento. Não seja a sua boca ou a sua atitude, a principal amaldiçoadora da sua casa… Coloque mais um prato à mesa, convide Jesus para o jantar e  aprenda com Ele!

Os livros não te contam, mas a estratégia mais duradoura e sustentável para uma vida a dois maravilhosa, é a constante e honrosa presença de Jesus no lar, reinando sobre o casal e estabelecendo o modelo mais excelente a ser seguido: Ele. Porque Ele é o modelo. Não existe outro.

Anúncios

14 pensamentos sobre “PRINCÍPIOS E VALORES na prática: Série especial sobre casamento / PARTE II: A convivência

  1. Muito lindas suas palavras!
    Como disse eu sou noiva ainda não me casei!
    Mas com certeza a melhor coisa é quando vejo meu lindo no fim do dia,não vejo a hora de nos casarmos e vivermos juntos para sempre!
    Eu sempre sonhei com esse dia!
    Grande beijo ha vc me fez me emocionar!

  2. QUE LINDO!!! SOU CASADA HÁ 8 MESES, E COM CERTEZA ESSE ASSUNTO ME INTERESSA MUITO. JESUS é a base do meu lar, e como vc disse , ele é o modelo! a presença dele faz toda a diferença na vida de um casal.bjs

    • Verdade, Keila! Vejo que as pessoas e a literatura em geral acabam dando muitas voltas, mas a solução é simples e só exige humildade para que nos submetamos ao senhorio de Jesus!! Beijos, gata! E muito obrigada por estar aqui! =)

  3. Di mudando um pouco de assunto, kd o vídeo do projeto verão eu adoro esses vídeos e está me ajudando muito pois agora eu malho em casa não mais na academia.
    Um grande beijo!

  4. Super entendo,me casei tambem 2008 ,mas no meu caso tenho filho lindo,mas sei que as vezes a gente se anula.
    Deixar de fazer algo que gostamos ,para fazer algo que eles gostam, na maior parte das vezes …rsrsrs
    Mais isso gento de amor e carinho !!!
    DIANA todos os dias dou passada no seu blog ,a cada dia me impressionada como eu me identifico acho muito engraçado ….
    Diana ter acho muito fofa obrigada pelo carinho …
    Sempre pensado em nos mulheres!!!
    BJS fique com Deus e boa sorte sempre !!

    • Ei, Karine! Seja muito bem-vinda! Adorei saber que você curte o blog e que se identifica comigo! Muito obrigada pelo seu carinho, viu!!

      Espero que o conteúdo dos textos e vídeos te inspirem cada vez mais para buscar a excelência em tudo o que você fizer na sua vida!!

      Beijo grande pra você e felicidades para você e seu esposo!! =***

  5. Sentir é fácil demais, qualquer um pode.Amar é que precisa de disposição,dedicação e aceitação todos os dias.Sentir todo mundo sente já o amor é só para quem é corajoso e não tem medo do que pode acontecer depois.Essa tal felicidade acontece em um lugarzinho onde pouquíssimas pessoas consegue alcançar, lá bem no fundo do nosso coração essa realização tem a ver com encontrar alguém ,alguém que faça aqueles momentos dificies se tornarem fácies,aquele que consegue te entender e compreender sem esforço,sem reforço, aquele que invade seus pensamentos antes de dormi e te faz pensar em cada momento feliz.

    “As borboletas vão entrar em extinção se a gente continuar cultivando os jardins artíficiais”.

    Bem quis deixar esse texto aqui para você eu me identifiquei muito com ele e quis compartilhar com vcs grande beijos!

  6. Diana,

    Te achei no Youtube e sei que descobri seu blog. Qnd soube que é cristã, AMEI! Sigo alguns blog’s mas todos se limitam a beleza e cuidados fisicos. Esse, além de falar de tudo isso, prioriza o que mais amo nessa vida, Jesus. Meu lindo Senhor e mestre. E simplesmente me acheiiii aqui!

    Que o Sr continue te abençoando e dando graça pra escrever o que está no coração dEle!

    Bjão.

  7. Oi,
    Acabei de descobrir seu blog e achei o máximo! Parabéns pela maneira clara como escreve e com muita maturidade espiritual. Que Deus continue te abençoando muito. Feliz 2013.

  8. Acabei de ler esse texto apesar de conhecer o blog a algum tempo. Achei fantástico como você coloca a questão do casamento, pois apesar de estar iniciando essa caminhada (que na minha opinião é fantástica) você sabe bem como deve ser. Não deixe tudo isso apenas em palavras, construa sua felicidade. Em questão de problemas que surgirão (e sempre surgem) o que vai importar é a maneira com que vocês lidarão com eles. Este ano completei 24 anos de casamento. Infelizmente os maiores problemas que apareceram para nós, vieram de fora da casa. Tive muitos problemas com a família dele (ciúmes) foi o primeiro filho que se casou. Mas sempre levei em consideração o fato de que a mãe dele fazia parte da vida dele antes do que eu. Nunca brigamos (eu e ela), posso até dizer que nos damos muito bem. Nesses anos todos que me “contive”, para que o caos não tomasse conta da minha união com meu marido, acho que minha sogra percebeu que para ele isso (casamento) era bom. Trabalhamos em encontro de casais a 16 anos, e isso faz com que renovemos nossa união todos os anos. Realmente é necessário manter sempre o namoro, mesmo depois que os filhos chegarem, pois se isso não acontece, quando os filhos crescerem e saírem de casa, o casal passará a ser apenas duas pessoas estranhas que não tem mais nada em comum. bjs e seja muito feliz

  9. Esqueci de completar. Você tem razão quando diz que Jesus Cristo deve estar sempre junto com o casal, no Encontro falamos sempre sobre conversarmos à três. Isso é essencial. bjs

Deixe um recadinho =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s