PEQUENO MANUAL DE ETIQUETA fora de casa: saindo às compras – de ônibus.rs

INTRODUÇÃO

Não que o transporte público na maioria dos estados brasileiros seja exemplar, convidativo e atraente em sua proposta… mas uma hora, cedo ou tarde, não poderemos fugir desta alternativa que em tese responde e adereça muito bem o problema do trânsito caótico, da degradação do meio-ambiente e, por que não dizer, do endividamento crescente da população que se joga no crédito e não consegue pagar nem as duas primeiras prestações do veículo financiado.

Bom… A verdade é que, infelizmente, mesmo sendo uma ótima e inteligente alternativa, andar de ônibus e metrô na maioria das cidades brasileiras pode acabar se tornando uma aventura muito cansativa, e, em muitos casos, até traumática e chocante, pelos típicos episódios de grosseria e violência que se dão ao longo dos trajetos.

E isto acontece todos os dias com uma grande parcela da população que depende do transporte público não só durante a semana para se deslocar para o trabalho ou escola, mas também aos finais de semana e feriados quando saem para passear com a família ou para fazer quaisquer outros programas específicos.

Por isto, este post/manual é dedicado a todos nós que por necessidade mesmo, ou porque o carro está no conserto, ou porque não queremos gastar com estacionamento (que por sinal está custando um rim, praticamente); acabamos escolhendo o transporte público naqueles dias em que saímos às compras, e  queremos ter uma experiência civilizada e prazerosa mesmo andando de ônibus.

1) PREPARATIVOS

– Sair de ônibus é uma excelente oportunidade para se exercitar! Por isso, não se esqueça: roupa e calçado confortáveis, cabelo preso, uma garrafinha com água, protetor solar e óculos escuros.

– Se o objetivo é comprar roupas, minha sugestão é sair com um vestido solto, pela facilidade de tirar e vestir novamente a cada loja em que paramos para experimentar uma peça.

– Levar uma bolsa ecológica grande e prática para carregar em um só lugar todos os itens comprados, ao invés de ficar carregando aquele monte de “sacolinhas”. Você ganha agilidade ao caminhar e controla melhor o que já foi comprado.

– Levar um mini-roteiro com as principais lojas que você deseja visitar em ordem de distância, e os itens que precisam ser comprados. Isto não só aumenta a produtividade e o aproveitamento do seu tempo, como também evita a perda de foco que acaba levando a gastos compulsivos fora do planejamento.

– Se você for comprar roupa de festa, não se esqueça de levar o par de sapatos a ser usado para medir o comprimento e verificar a necessidade de ajuste. Esta iniciativa te economiza uma ida extra à mesma loja.

– Facilite a vida do cobrador do ônibus e leve moedinhas para facilitar o troco! 😀

2) TOMANDO O ÔNIBUS

– Antes de sair de casa, faça um alongamento básico para encarar a jornada com qualidade. Parece uma bobagem, mas observe que ao final de uma maratona como esta, chegamos em casa sentindo dores musculares semelhantes àquelas dores pós-academia. Ou seja, bater perna um dia inteiro é uma baita rotina de exercícios físicos!

– Programe-se para sair de casa DEPOIS do horário de pico (se for dia útil). Eu, por exemplo, deixo pra sair de casa depois das 9h00, e chego ao destino final no mesmo horário que eu chegaria se tivesse saído às 8h00, devido ao trânsito pesado. Desta forma, você garante que terá lugar pra sentar, diminui o estresse e já começa o dia bem.rss

– Se você deseja ter um dia gostoso fora de casa, comece dando aos outros o que você quer receber. Cumprimente o motorista e o cobrador olhando no rosto de cada um deles. Você está dando algo que não te custa nada, mas que vale muito pra quem recebe.

– Quando for se assentar ao lado de alguém, peça licença e sente com delicadeza sem dar aquele solavanco como se um boi estivesse sentado ao seu lado. Consideração e delicadeza para com qualquer pessoa, mesmo que seja um estranho, nunca são demais.

– Permaneça sentado com as pernas fechadas, para evitar o constrangimento de ficar se roçando em alguém. Assento de ônibus não é o sofá da nossa casa, que a gente senta mega à vontade e de qualquer jeito. Respeite o espaço das outras pessoas…

– Se o passageiro do seu lado deu indícios de que vai descer, seja PROATIVO e levante-se para que a pessoa possa sair do seu assento sem precisar sentar no seu colo praticamente! Mas não se levante com cara feia e má vontade, como se o outro passageiro não tivesse o DIREITO de descer de um ônibus com dignidade.

– Chegando em seu destino, olhe para o motorista (sim, ele fica olhando o desembarque do passageiro pelo retrovisor e pode te ver perfeitamente) e agradeça com um sorriso ou com um aceno. Ele vai ganhar o dia =)

3) CHEGANDO À LOJA

– Se uma vendedora te abordar, mesmo que naquele momento você esteja só dando uma olhada nos expositores, aceite a ajuda, pergunte o nome da moça (ou moço) e descreva objetivamente o que você está procurando.

– Antes de ela mandar descer o estoque inteiro, não se sinta constrangida em revelar o teto do seu orçamento. Eu pessoalmente acho super tranquilo falar com a vendedora: “Olha, estou procurando um vestido de festa longo e meu orçamento é de X reais. Quais as opções que você pode me mostrar nesta faixa de preço?”

– Se a vendedora te mostra um modelo que te desagrada, não seja grosseira e agressiva dizendo que aquela peça é feia ou horrorosa. Atenha-se a dizer que tal peça não faz seu gosto ou estilo… Você dispensa aquela alternativa sem ofender a loja, ou a vendedora ou um cliente que pode estar ali justamente namorando a tal peça “feia” e “horrorosa”.

– O mesmo vale para peças ditas “caras”. Ao invés de dar aquele bafo dentro da loja e dizer “nossa, isso é um assalto??”, ou fazer aquela cara de desprezo insinuando que a tal mercadoria não vale tudo aquilo, atenha-se a dizer que no momento aquela peça extrapola seu orçamento.

– Ao experimentar a peça, saia do provador e mostre à vendedora o resultado final. Mesmo que a opinião mais importante seja a sua, e que a decisão final de comprar ou não também seja exclusivamente sua, não custa nada demonstrar apreço e consideração à vendedora, que está ali te prestando uma ajuda.

– Ainda que você já tenho descrito o que você procura, esteja aberto e receptivo às sugestões da vendedora. Lembre-se que você tirou o dia pra isso e que avaliar uma nova possibilidade não é perda de tempo. Numa dessas, você acaba descobrindo um look super legal e até mesmo mais barato do que você estava disposta a pagar 😉

– Quando estiver pronta para fechar a compra, não custa nada perguntar se aquele preço é cheio ou com desconto, ou se existe alguma peça parecida de uma coleção passada que esteja em promoção… Questione sobre desconto à vista e número de parcelas no cartão, sem contudo ficar implorando por um preço melhor debruçada no balcão, dando o maior show pra todo mundo ver.

– Muitas lojas pedem um e-mail no fechamento da compra para cadastro do cliente no banco de dados. Como na verdade eles vão ficar te enviando notícias e promoções posteriormente, você pode  informar aquele endereço seu do hotmail que já está cheio de vírus e que você já nem abre mais, para evitar que seu e-mail principal se descontrole com tanto spam e lixo eletrônico que você não deseja receber.

– Ao se despedir, agradeça à vendedora de acordo com sua performance. Se o atendimento tiver sido estupendo, agradeça apontando as qualidades deste atendimento “Obrigada pela sua atenção, paciência e assessoria!”. Caso contrário, se tiver sido um daqueles atendimentos em que o vendedor quer se livrar rápido da gente, eu me atenho a um simples “obrigada e até breve”. Meritocracia, meu bem.

4) VOLTANDO PRA CASA

– Se possível, tente tomar o ônibus de volta antes ou depois do horário de pico. A esta altura você já está cansada, carregando sacolas e doida para chegar em casa! Sendo assim, um ônibus mais vazio e um trânsito mais tranquilo ajudam bastante!

– Mesmo que você precise andar alguns metros a mais, caminhe até um ponto onde você sabe que o ônibus passará mais vazio. 

– Ao entrar no ônibus, obedeça à fila sem ficar empurrando todo mundo ou tentando se infiltrar à qualquer custo para ser o primeiro a colocar os pés no degrau do ônibus.

Quanto aos assentos reservados a idosos, deficientes e gestantes, não se assente neles com aquele pensamento de “quando um idoso, deficiente ou grávida entrarem,  daí eu me levanto e cedo o lugar”. Você já viu alguém se assentar na mesa reservada de uma festa, e depois se levantar para o verdadeiro convidado a quem aquele espaço já estava reservado? Este público não precisa passar pelo constrangimento de esperar (um segundo que seja) alguém se levantar do lugar que É expressamente destinado a eles, em primeiro lugar. Se não somos idosos, deficientes ou gestantes, não temos que nos assentar ali e pronto. Sem lacunas da lei. Sem brechinhas. Sem jeitinhos. Sem mais interpretações.

Ao sairmos de casa, precisamos nos preparar física e espiritualmente para dispensarmos nosso melhor às diferentes pessoas com quem nos encontraremos durante todo o trajeto. Às vezes gente esquece que o estranho da rua, do ônibus ou da loja também é um ser humano que merece nossas melhores maneiras, atenção e simpatia.

Não guarde ou restrinja o seu sorriso e a sua educação apenas para os familiares, amigos e íntimos! O estranho não é menos gente ou menos digno só porque não o conhecemos, ou não sabemos o seu nome e seu endereço!

Do portão pra fora, todos nós somos um bando de estranhos que podem conviver muito bem como velhos conhecidos! Pense nisso 😉

Anúncios

5 pensamentos sobre “PEQUENO MANUAL DE ETIQUETA fora de casa: saindo às compras – de ônibus.rs

  1. Oi Diana! Gostei mto desse post! Realmente, sair de ônibus é uma “experiência única”, rsrs! Bom, eu só ando de ônibus, pois não tenho carro e não sei dirigir, morro de medo, então passo por tudo isso que vc descreveu mtas vezes! Na verdade, por aqui utilizo mais as vans e kombis, eu não sei se em todos os estados elas existem no transporte público, mas por aqui elas dominam, rs. Gostaria, pela pseudo-segurança, de usar sempre ônibus, mas na maioria das vzs eles passam cheios (qdo passam!), os motoristas não param, correm enlouquecidamente… Enfim, acabo recorrendo às vans e kombis.

    Concordo mto com tudo que vc disse sobre tratar as pessoas bem qdo estamos na rua. Fico impressionada em como a maioria dos seres humanos conseguem ser mal educados ao extremo apenas por estarem lidando com uma pessoa desconhecida. Pra não cometer injustiças, chego a evitar lojas que tenham vendedoras, prefiro as grandes onde vc mesmo escolhe o que quer (como Renner, C&A, Marisa…) pq, como não tenho jeito para lidar com vendedora, pelo menos sei que não serei grosseira com ninguém, rs. Gosto de escolher minhas coisas sem pitacos alheios! Mas, caso precise de vendedor, ou mesmo qdo chego ao caixa pra pagar, ao provador, enfim, em qualquer lugar em que precise lidar diretamente com outro ser humano, procuro ser o mais simpática e educada possível. Acho que isso é das coisas primordiais que as pessoas precisam aprender. Até pq, eu não sei o que as pessoas ganham sendo grossas com as outras. Tem gente que parece que sai de casa pronta pra guerra, eu hein! =D

    Espero que vc volte sempre com esses posts informativos, adoro!

    PS: os vídeos de Upgrade de Imagem vão voltar? Quero mais!!!

    Bjos, querida! Boa semana!

    • Ei, Maria!! Aqui em BH teve uma época das vans e Kombis, mas rapidinho a BHTrans acabou com a festa! rsss

      Eu também gosto muito de lojas de departamento para fazer compras práticas e objetivas, sem que uma vendedora fique colada respirando no meu pescoço como se eu fosse roubar alguma coisa!!! Acontece muito isso comigo…

      Por fim eu tenho vontade de virar e falar “Pois não????” Enfim. A gente acaba se irritando quando o atendente não nos deixa à vontade.

      Vejo que ao sair de casa, as pessoas querem prevalecer como indivíduos. Tipo: primeiro eu, depois eu, depois eu, depois eu…. O que importa é fazer o que eu quero, do jeito que eu quero, sem me preocupar com quem está ao redor buscando estes mesmos interesses.

      É triste, mas a rua é o principal reflexo da nossa natureza egoísta. É fora de casa que esta natureza se manifesta vorazmente!

      Mas aqui, se você for de BH, tenho uma solução para o seu medo de dirigir! rssss

      E semana que vem, retomaremos o Upgrade de Imagem, ok?? Bjkas e boa semana pra você também!! =***

      • É verdade, isso do atendente não sair do pé é norma de loja, já trabalhei como vendedora e tinha essa orientação, mas na boa, acho um erro imenso. Espanta o cliente na hora!

        Fiquei falando que “aqui onde moro prefiro as vans”, mas não disse onde, rs. Moro no Rio! Com esse trânsito louco, dá medo demais de dirigir, Jesus!

        Obaaa, vou aguardar ansiosa pelo vídeo de Upgrade!! Bjos!!

  2. Bom, onde eu morava no Brasil, o onibus passava de uma em uma ou de duas em duas horas entao era praticamente um escolar! Tinha ate lugar reservado pq a gente ja sabia quem sentava aonde dependendo do horario! haha Era uma troca de salgadinho e chocolate intensa e muito, muittooo bate papo. A viagem em si (sim, viagem! rs) era uma labuta diaria mas as vezes eu me esquecia disso quando interagia com o pessoal. As vezes o tempo se tornava ate pouco pra tanto assunto! Quem e’ mulher sabe do que estou falando! rs O onibus funcionava como uma comunidade mesmo! Ate os motoristas e trocadores faziam parte dela! Ja em Londres, os motoristas sao muito mal-educados e mal-humorados e na hora de pico e’ um desastre dentro do bus, mas para entrar e’ uma organizacao e educacao sem igual. Nignuem passava na frente de ninguem, os assentos reservados para idosos/deficientes/genstantes sao respeitados e se alguem bancar o “fra-da’lei” a policia esta la de prontidao pra fazer o que deve ser feito. Em Paris o transporte e’ caotico, nao melhor palavra para descrever aquilo la. A falta de educacao vem de TODOS os lados. O mal-humor e o odor se misturam no ar e viram um SO! E muito, muiiitttoooooooo transito! Nos metros e’ uma muvuca tb! Haha Eu vi cada coisa acontecer que meus olhos duvidaram! Mas valeram as experiencias, todas elas, ate de um mendingo querendo me bater dentro do metro de Paris. Segundo ele, eu estava “ralando” a minha perna na dele! Meu Deus… Justo quem! haha

    • ahahahahahah! Às vezes eu penso que o brasileiro realmente não dá importância às coisas consideradas pequenas e corriqueiras como usar o transporte público com respeito e educação. Em outros países, este aspecto é tão importante, que até polícia se envolve na história em casos de infração e desrespeito.

      Sei lá, me dá preguiça.rs

      Mas aqui: você nem contou o caso do amigo oculto do seu ônibus!! Final do ano, os passageiros trocavam presentes de Natal, e praticamente faziam uma ceia no fundão!! kkkkkkkkkkkkk

      Ai vocês!! kkkkkkkkkkkk

Deixe um recadinho =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s